Empanadas de Mataderos, uma típica feira argentina

Feira de Matadeiros

Feira de Matadeiros

Fui visitar minha filha em Buenos Aires no outono. A cidade, quase uma sucursal do Brasil, oferece múltiplos lugares e entretenimentos, mais conhecidos e os outros menos conhecidos dos viajantes. Hoje vou falar de um prato turístico muito especial que não esta no cardápio convencional: a Feira de Mataderos.

Todos os domingos, a apenas 40 minutos do Obelisco, se não chove, é realizada uma feira tradicional que reúne produtos regionais argentinos, corrida de “sortija”, uma prova de destreza com cavalos criolos, música folclórica do interior ao vivo na praça, com dançarinos de todas as idades. raças e gostos soltando as pernas, e lenços típicos, na própria rua. É como fazer uma viagem para uma outra Argentina, sem tango, asfalto nem modernidade. Uma Argentina do interior, com samba (música típica de lá, mas completamente diferente do samba brasileiro) e muita fumaça de churrasco. Vale a pena.

Como não podia ser de outra forma com os gulosos “hermanos”, a feira apresenta uma vastíssima variedade de iguarias de carne, todas feitas ao vivo na rua. Afinal “mataderos” é onde se vende o gado de corte para os frigoríficos.

IMG_7629 (1)De todas as alternativas possíveis, escolhemos um bar tradicional, o Oviedo, que existe desde 1900, e que fica em frente ao palco. No prato, três empanadas para cada um. A famosa “empanada”, esta espécie de pastel, menor e mais compacta, feita no melhor estilo tradicional. Carne de primeira cortada a faca em pedacinhos mínimos, cebola, sal, azeitonas, “putapario” (é assim mesmo que se chama), um tempero picante típico de Las Pampas, tudo na massa fina de farinha, fechada à mão em forma de meia lua. Podem ser ao forno ou fritas. Salve o fígado, mas as fritas na hora e na rua, são divinas.

Logicamente o vinho tem de ser tinto, um Toro Viejo da casa não esta mal, principalmente se tomado com gelo, como os argentinos gostam, para suavizar a aspereza original. Depois um pouco de folclore, cavalos, artesanatos pamperos e, se der tempo, compre um salame caseiro, azeite de oliva ou talvez um limoncello feito em Mar del Plata pela comunidade italiana.

Pode ter certeza de que esse passeio vai ser mais divertido que caminhar pela Florida dos cambistas e lojas de couro.

Até a próxima viagem!

Este slideshow necessita de JavaScript.

Felix Fassone

Felix Fassone

“Dediquei minha vida ao jornalismo de celebridades, mas com o tempo percebi que ‘célebre’ também pode ser uma delícia num prato ou num copo, e, assim como os famosos, os comes e bebes têm história, presente e futuro. Então, por que não escrever sobre eles no decorrer das minhas viagens por este planeta tão saboroso?”

  • Marilda Fontanello

    Parabéns, Felix Fassone por este trabalho. Esta feira é fantástica, surreal. Mesmo sendo vegetariana, adorei tudo. Há espaço para todos.