Festa gastronômica no morro do Vidigal: Pedro Benoliel estreia programa gravado na laje

Lindo, simpático, educado, charmoso, descolado, divertido, boa praça… e ainda cozinha bem. Minha receita de príncipe encantado? Nada disso. Esse é o chef Pedro Benoliel, que apresenta o programa Cozinha na Laje.

Quando recebi o material sobre o lançamento do Comida na Laje, de cara adorei a proposta. Fiz contato com a assessoria do canal para tentar um papo com o apresentador. Prontamente eles marcaram a conversa para o dia seguinte. Adorei a competência!

Pedro Benoliel tem 28 anos e uma bagagem de causar inveja. Filho de Monique Benoliel, a banqueteira mais famosa do Rio de Janeiro, ele tem o dom de cozinhar.

Nada a ver dizer que o sucesso profissional desse jovem chef se deve unicamente ao apadrinhamento da mãe. O moço construiu sua história sozinho, ralando em cozinhas de vários lugares do mundo, e aprendendo com isso. É por isso que Pedro não faz aquela média de dizer coisas “cozinho desde que nasci”.

Pedro_Benoliel - Cozinha na Laje

“Vou te levar numa viagem para redescobrir a comida popular, a comida de botequim, a comida da laje que todo mundo ama”.

Bastou uma rápida conversa com Pedro para eu entender que gastronomia pra ele é coisa muito séria. Quando liguei, às 14 horas de uma sexta-feira de feriado prolongado, ele não estava na praia, nem jogando bola com amigos. Falou comigo pacientemente, com um super alto astral, sem estrelismo e nada de arrogância. Durante a conversa ficou claro que o moço pega no pesado e encara diariamente o frenético o dia a dia de uma cozinha profissional.

A dedicação e a paixão pela cozinha rendeu à Benoliel a fama de chef descolado entre os bacanas da cidade maravilhosa. E agora, essa popularidade promete crescer ainda mais, graças ao Cozinha na Laje, programa que estreia dia 14 de julho no canal Food Network.

Gravado numa laje do morro do Vidigal, no Rio de Janeiro, o programa une gastronomia popular brasileira e estilo de vida. E o pano de fundo é uma das mais belas vistas da cidade.

“Vou te levar numa viagem para redescobrir a comida popular, a comida de botequim, a comida da laje que todo mundo ama”. É assim que Pedro convida o telespectador parta acompanhá-lo num giro descontraído e saboroso, por lugares marcantes da cidade maravilhosa.

Pedro_Benoliel

“Sou um garoto com quilometragem boa. Isso me dá muita segurança pra encarar muitas situações”

No episódio de estreia será apresentado o cenário do programa, a laje do Carlão. No comando das panelas estará a dupla Luiza Souza e Leandro Amaral, criadores do Bar da Gema, que é um lugar premiado e super conhecido por servir petiscos criativos e deliciosos. Quer saber o cardápio? Duas preciosidades do bar, Pela Égua (Canjiquinha com queijo coberta por couve e um delicioso molho de linguiça) e Atoleiro Carioca (peito bovino e linguiça de porco com aipim servidos com pesto de agrião). De Niterói para a laje do Food Network, a banda Teresa faz a trilha sonora do primeiro episódio.

Quem é ele?

Formado pela Universidade Estácio, no Rio de Janeiro, Pedro só começou a se aventurar no mundo da gastronomia aos 18 anos, quando viajou para Tel Aviv, em Israel e conseguiu um emprego como cortador de carnes em um restaurante de comida brasileira.

A verdade é que, a mãe famosa ajudou muito, mas no começo gerou uma pressão que precisou ser digerida. “Precisei ter uma fuga da minha galera pra assumir o que eu queria no começo ser filho de quem sou rendia muita pressão. Esperei até ter maturidade de matar no peito essa realidade. Hoje eu tenho muita certeza de que tudo o que eu construí pro Pedro, como profissional, nada paga. Eu sou um garoto com quilometragem boa. Isso me dá muita segurança pra encarar muitas situações”, contou.

Em Israel, a cozinha falou mais alto. “Foi só nessa época que comecei a apostar na gastronomia como um trabalho. Em Israel morei em kibutz, consegui meu primeiro emprego como cortador de carnes numa churrascaria brasileira, e foi lá que aprendi as bases da culinária. coisas. No kibutz tinha muito aquela coisa de fazer churrasco, a comida ficava cozinhando naqueles panelões por horas e horas… Com isso aprendi muito e, quando voltei, já comecei a trabalhar”, relembrou.

De volta ao Brasil Pedro se formou em gastronomia pela universidade Estácio de Sá, estagiou com a mãe e também viajou pela França, Espanha, com passagens pelas cozinhas de Alain Ducasse, Checho Gonzales e Roland Villard. Tem mais: trabalhou ainda no Zazá Bistrô e Le Pré Catelan, ambos no Rio.

Hoje em dia já soma 10 anos de gastronomia e tem um currículo invejável. Quando conversa fica perceber que o chef tem uma maturidade rara. E ai, Pedro, como se consegue fazer sucesso nessa profissão?

 O talento é de cada um e o sucesso vem disso”.

“O talento é de cada um e o sucesso vem disso”.

A reposta: “O que faz alguém crescer nessa profissão é a pratica que se adquire no dia a dia numa cozinha. Aprender e buscar entender a técnica é importante, mas é dentro da cozinha que se cresce. Nossa profissão está muito glamurizada e tem gente acreditando que basta sair de uma faculdade para virar chef. Não é nada disso, o que nos ensina são os perrengues que a gente passa. Com essa vivência a gente vai pegando o jeito, vai evoluindo… O talento é de cada um e o sucesso vem disso”.

Energia, disposição e trabalho pesado

Atualmente Pedro é o braço-direito de sua mãe e divide com ela o comando do Buffet Monique Benoliel. Muito trabalho? “O ritmo de trabalho é louco. Ter um buffet ou um restaurante é como ter um filho”, disse.

A experiência de trabalhar em um buffet que faz o catering para grandes eventos como o Rock in Rio ou um camarote no carnaval da Marques de Sapucaí, também rendeu ao Pedro uma experiência diferenciada. Em casos assim o desafio é encontrar a receita para alimentar mais de 1 mil pessoas por dia, criando preparações diferenciadas e com qualidade. Neste mercado a equação custo/benefício é quem dita as regras e o chef explicou: “No buffet não tem como implantar a alta gastronomia, nestes casos a comida precisa ser leve, saborosa, criativa”.

O desafio da tela

Pedro_Benoliel8

“Não tenho medo do desafio. Sou transparente, sei o que posso fazer. Se estou na televisão é porque tenho total certeza que posso estar ali”

Falamos sobre esse novo momento, agora com a cara na tv. Pedro Benoliel seguiu com seu jeito espontâneo e bem carioca. Ele concorda que a televisão brasileira vive um ótimo momento para programas de gastronomia, mas não deixou de ponderar os prós e contras. “Isso tudo é muito bom, mas ao mesmo tempo a gente percebe que isso cria um glamur exacerbado e vende uma ilusão. Esse boom tem o lado bom e o lado ruim. Tem muitas coisas boas, mas tem gente falando um monte de besteira na tv”.

Ansioso com a estreia? Nem tanto. “Eu não tenho medo do desafio. Sou transparente, sei o que posso fazer. Se estou na televisão é porque tenho total certeza que posso estar ali”, explicou.

Pedro falou ainda sobre a importância de não levar problemas para a cozinha. Ele disse: “Cozinhar é meu trabalho e tenho que estar bem para faze-lo. Isso me ajuda até a manter meu equilíbrio emocional. O importante que eu esteja tranquilo para servir as pessoas enquanto elas se divertem. É fundamental que eu goste do que faço, assim coloco amor e carinho dentro das panelas. Se eu estiver num dia ruim, é certo que não vou conseguir transmitir todo aquele cuidado e foco na comida. Ai ela sai uma m…”.

Taurino, sentimental, sensível e com uma boa dose de sensualidade. Sem falsa modéstia Pedro sabe usar tudo isso a seu favor. “Sou transparente e sou sensual da minha maneira. Faço no trabalho o mesmo que faço com meus amigos e com minha família. Acredito que o certo é tratar bem as pessoas, desde o lixeiro até o presidente. Eu trato todo mundo com respeito, independente de tudo. A verdade é que está faltando isso humanidade”, finalizou Pedro com um jeito encantador.

Comida na Laje estreia terça-feira, 16 de julho, às 22h45 no canal Food Network.
Eu não vou perder!

Fotos: Divulgação Food www.cialisforsalecanada.com Network

Comments

comments